Espero que você goste desse artigo. Se você quer que nosso time faça o seu marketing, clique aqui.

Júnior, pleno, sênior: entenda as diferenças entre cada

Tempo de leitura estimado: 6 minutos

Última atualização em 19/05/2022

Há muitas decisões a serem tomadas antes de fazer uma nova contratação, a maioria das quais é determinada quando você se senta com o Gerente de Contratação para criar a descrição inicial do trabalho e o que deve contratar: uma pessoa júnior, pleno, sênior para determinada função. Quais são as responsabilidades da função? A função será remota ou presencial? Em que nível de antiguidade você pretende contratar? Esta última pergunta tem muito peso, pois há vantagens e desvantagens na contratação de funcionários de nível júnior, pleno e sênior.

A decisão de qual funcionário de nível contratar depende, em última análise, do que é certo para o seu negócio com base no orçamento, cronograma e cultura da empresa. Dito isso, sabemos que o nível de antiguidade é muitas vezes uma decisão que os gerentes de contratação se apressam, em vez de pesar os prós e os contras primeiro.

Para ajudar a garantir que você e seu gerente de contratação estejam alinhados no nível de senioridade desde o início, descrevemos as diferenças entre funcionários de nível júnior, pleno e sênior. Confira abaixo e compartilhe com sua equipe conforme necessário!

JÚNIOR

Júnior, pleno, sênior: entenda as diferenças entre cada

Depois de passar por um estágio, a pessoa se torna um júnior. O principal requisito para isso é a capacidade de realizar tarefas técnicas de forma independente. Se houver arquitetura incorporada no projeto, o júnior deve ser capaz de implementar a próxima parte da lógica de amostra do aplicativo sem hesitação. No entanto, um júnior pode cometer erros de tempos em tempos, não entender as nuances e discutir planos de implementação ou verificar o código finalizado com o líder da equipe.

Para um júnior, as seguintes qualidades são importantes: 

  1. O desejo de desenvolver e aprender (especialmente em seus erros).
  2. Energia e compromisso.
  3. A capacidade de aceitar críticas com calma.

Deve-se entender que as tarefas que um sênior pode resolver em dez minutos, um júnior pode exigir uma hora cada, e no processo o código terá que ser reescrito completamente, o que significa gastar muita energia extra. É importante não ter medo disso e buscar o equilíbrio. Você precisa saber quando tentar resolver uma tarefa sozinho e quando parar de encostar a cabeça na parede (enquanto gasta o tempo do projeto nisso) e pedir ajuda. Justificar seu desempenho insatisfatório com “Ainda sou júnior” é uma má ideia.

Leia também: Ramo de atividade: O que é? Como definir

PLENO

O principal requisito para o desenvolvedor pleno é a capacidade de executar as tarefas atribuídas a eles de forma independente. Muito parecido com o que foi escrito no parágrafo anterior, certo? No entanto, há uma nuance importante – aqui não há palavra “técnico”. Ou seja, em um novo nível, é preciso entender os requisitos do negócio e ser capaz de traduzi-los em soluções técnicas.

Por isso: 

  1. Um pleno entende o que o aplicativo faz exatamente. Isso permite uma compreensão mais profunda da tarefa, portanto, avaliá-la com mais precisão e implementá-la de forma mais eficaz. Se os requisitos não cobrirem completamente um determinado cenário, um bom desenvolvedor prestará atenção a isso durante o estágio de planejamento. E não quando o aplicativo começa a falhar após qualquer ação não padrão do usuário.
  2. Um pleno está familiarizado com modelos e soluções padrão ao criar um aplicativo em seu campo, entende por que eles são necessários e sabe como aplicá-los. A padronização de soluções é de grande importância no desenvolvimento coletivo de código, pois permite que a nova pessoa entenda rapidamente o que é o quê e minimiza o número de erros. Compreender a estrutura de uma aplicação típica torna a tarefa de construí-la a partir do zero bastante trivial e permite discutir os princípios da implementação correta e distinguir o código bom do ruim.
  3. Um pleno entende que um soldado não faz uma batalha. Eles sabem como interagir com os membros da equipe, por exemplo, discutir um momento difícil com um designer, esclarecer os requisitos incompletos com o analista de negócios, acordar alguma solução técnica importante com o arquiteto do projeto (se houver) e, claro, possuem as ferramentas apropriadas para o desenvolvimento coletivo.

Leia também: Melhores franquias do Brasil para 2021

SÊNIOR

Júnior, pleno, sênior: entenda as diferenças entre cada

Um sênior é um desenvolvedor experiente que viu muito código, cometeu várias falhas e erros e conseguiu tirar as conclusões corretas deles. A principal tarefa de um sênior é tomar as decisões tecnológicas corretas no projeto . “Decisões certas” são aquelas que trazem o máximo benefício ao negócio e minimizam os custos. Um bom sênior não apenas entende o que a equipe está desenvolvendo, mas pensa em quais tarefas o aplicativo finalizado deve resolver. Ao desenvolver um site para um leilão, um idoso sempre se pergunta sobre o pico de carga e tenta prever as tentativas de entrada competitiva nas tabelas do banco de dados. Pensam antecipadamente nos gargalos do sistema e na possibilidade de escaloná-lo, lembram de vulnerabilidades e problemas causados ​​pelo uso indevido de ferramentas.

Tal especialista faz uma coisa incrível – eles resolvem problemas antes mesmo de terem a chance de aparecer . Do lado de fora, assemelha-se ao dom da previsão. Mas se o seu projeto vive de problema em problema, e você constantemente tem que jogar fora e reescrever pedaços de código, então esses são os sintomas de que o projeto não recebe atenção suficiente de um sênior.

Relacionado:  Como funciona o pagamento quinzenal: entenda o benefício

Depois de pensar um pouco, podemos formular uma série de recursos de um desenvolvedor sênior: 

  1. A capacidade de resolver várias tarefas mais complexas e completá-las mais rápido ou melhor do que um desenvolvedor médio não tem nada a ver com antiguidade. Em nossa classificação, a pessoa que faz isso é chamada de “Médio Forte”.
  2. A classificação sênior não pode ser obtida rapidamente. É necessário adquirir ampla experiência e entender o que distingue um produto bem feito de um feito grosseiramente, como a dívida técnica se manifesta, quanto custa a refatoração, quais padrões são realmente necessários e se níveis infinitos de abstração são necessários. É necessário tomar decisões importantes por conta própria e dar-lhes tempo para passar no teste, caso contrário não serão avaliados.
  3. Um sênior requer boas habilidades de comunicação, pois não deve apenas oferecer a decisão certa, mas também convencer seu cliente e a equipe a concordar com eles. Se você não conseguiu defender uma boa decisão e em vez dela foi aceita uma ruim, você terá que se culpar por isso. A opção “eu avisei” não funciona mais no nível sênior. A mesma coisa com a equipe: não basta saber como as coisas devem ser feitas, você também precisa ser capaz de explicar de forma inteligível. Então a equipe cresce rapidamente e acumula experiência, evitando erros dolorosos. A abordagem autoritária (“faça o que eu digo”) geralmente leva a conflitos internos, e a situação no projeto não melhora, então você precisa tentar evitá-la.
  4. Um sênior não pode prescindir de entender o design de bibliotecas e estruturas. Se a ferramenta de desenvolvimento para você é uma caixa preta, e você compõe uma aplicação a partir das peças acabadas sem saber o que cada uma delas faz, o produto sempre será instável e imprevisível.

Um gerente que adiciona um sênior ao projeto espera reduzir os riscos técnicos ou pelo menos começar a entendê-los. Raramente existem sistemas sem um único problema – o perfeccionismo tecnológico muitas vezes é simplesmente não lucrativo para os negócios. Mas um veterano é obrigado a captar os momentos em que vários erros inócuos transformam um sistema em um Frankenstein e interromper esse processo antes que seja tarde demais.

Leia também: Apresentação de empresa para clientes em pdf

O QUE É MELHOR PARA VOCÊ?

Júnior, pleno, sênior: entenda as diferenças entre cada

Antes de decidir se deve contratar um funcionário de nível júnior, pleno ou sênior, considere o orçamento de sua empresa e o tempo de sua equipe de contratação:

Aqui estão apenas algumas ideias…

  • Quanto você quer gastar com uma nova contratação?
  • Quanto você pode gastar em uma nova contratação se o candidato mais incrível for apresentado a você?
  • Você se beneficiaria mais com uma contratação de nível sênior ou duas (ou mais) contratações de nível júnior?
  • Seu gerente de contratação e equipe de contratação têm largura de banda de treinamento?
    Normalmente, quanto mais júnior alguém for, mais treinamento precisará. Se você e sua equipe estão muito divididos e com pouco tempo, pode valer a pena contratar alguém sênior que possa ir direto ao assunto.
  • Sua organização está procurando aumentar suas métricas de diversidade ?
    Expandir sua pesquisa para incluir funcionários de nível júnior amplia seu pool de talentos para incluir mais candidatos de grupos sub-representados.
  • Como essa contratação afetará a cultura da empresa?
    Evitar a contratação de funcionários juniores por medo de cometer erros pode enviar uma mensagem negativa sobre a cultura da sua empresa. Isso não apenas cria um ambiente de trabalho ansioso, mas também espalha uma narrativa falsa sobre a natureza das empresas de sucesso. E se você procurar candidatos juniores motivados, comunicativos, de mente aberta e curiosos, muitas vezes descobrirá que eles se tornarão cargos de gerenciamento sênior ao longo do tempo.
    A contratação de funcionários de nível sênior pode ter um impacto positivo imediato na cultura da empresa. Com experiência e conhecimento de como manter culturas fortes com sucesso em outros lugares, os funcionários seniores podem entrar e causar um forte impacto na dinâmica da equipe e nos valores da empresa desde o primeiro dia.

Como em qualquer função, encontrar a pessoa certa é fundamental. A experiência é um fator importante, mas a paixão e as habilidades transferíveis de uma pessoa também irão percorrer um longo caminho.

Antes de decidir de qual nível de funcionário você precisa, meça onde sua empresa está em termos de orçamento, tempo e necessidade de determinar qual nível o candidato faz mais sentido. Mais importante ainda, não se afaste automaticamente de funcionários de nível júnior só porque eles provavelmente cometerão erros e não se afaste de funcionários de nível sênior por causa dos salários iniciais mais altos. Basta procurar a rota que é melhor para sua empresa neste momento!

Avalie este artigo post

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido